Biblioteca da Faculdade CDL

Biblioteca da Faculdade CDL

O Blog da Biblioteca da Faculdade CDL é um espaço destinado à comunicação da Biblioteca com os alunos e professores, onde é possível fazer postagens e comentários relativos a assuntos que envolvam, de alguma forma, a Biblioteca e o ambiente acadêmico em geral. O objetivo do blog é informar, registrar momentos e incentivar o gosto pela leitura e pela escrita.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Estudante, seu lugar é aqui, na Faculdade CDL!

Parabéns a todos os estudantes, em especial aos nossos alunos, que se empenham dia a dia em busca de novos conhecimentos!

Estudantes da Faculdade CDL, 
vocês estão evoluindo...


quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Novidades no acervo! É a vez do Trade Marketing!

Atendendo à disciplina do MBA, a Faculdade CDL adquiriu 4 livros de trade marketing, os quais já estão disponíveis na Biblioteca para empréstimo.

Conheça os títulos e venha  verificar de perto os seus conteúdos!

ALVAREZ, Francisco Javier S. Mendizabal. Trade marketing: a conquista do consumidor no ponto de venda. São Paulo: Saraiva, 2008. 165 p. ISBN 978-85-02-06575-8.

Não é modismo, ao contrario é um tema cada vez mais discutido e pesquisando, aproximando acadêmicos e profissionais. "Trade Marketing - a conquista do consumidor no ponto de venda, primeiro livro de Francisco Javier S, apresenta aos leitores um estudo detalhado sobre o assunto, que ainda não dispõe de vasta literatura no Brasil. Resultado da combinação entre a larga experiência profissional do autor e sua vivência acadêmica, a obra apresenta de maneira clara e objetiva os diversos aspectos que interferem na concepção de estratégia de posicionamento.

CÔNSOLI, Matheus Alberto. Trade marketing: estratégias de distribuição e execução de vendas. São Paulo: Atlas, 2010. 278 p. ISBN 978-85-224-5916-2.

O objetivo do livro é apresentar de maneira estruturada e didática - Conceitos, ferramentas e questões para que profissionais e acadêmicos da área de marketing possam avaliar, planejar e implementar suas estratégias de trade marketing. A obra contém nove capítulos que estão assim discriminados - 1. O ambiente de negócios do varejo; 2. Origem e evolução de trade marketing; 3. Canais de marketing e gestão da cadeia de suprimentos; 4. O relacionamento de produtores com atacadistas e distribuidores; 5. Atribuições de trade marketing e marketing voltado para o shopper; 6. Planejamento e implementação de trade marketing; 7. Execução do gerenciamento de categorias - uma ferramenta aplicada ao pequeno varejo; 8. Mensuração e avaliação dos resultados de trade marketing; 9. Trade marketing no século XXI. Obra é indicada para profissionais de trade marketing, marketing, vendas, distribuição, varejo e publicidade. Leitura complementar para as disciplinas Marketing, Gestão de Canais de Vendas, Trade Marketing, Planejamento de Vendas e Gestão de Varejo dos cursos de graduação e de pós-graduação em Marketing e Publicidade.

MOTTA, Rodrigo. Trade marketing: teoria e prática para gerenciar os canais de distribuição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. 172 p. ISBN 978-85-352-3205-9.

O livro traz ao leitor a evolução dos canais de distribuição no mundo e no Brasil, que foi decisiva para o surgimento do trade marketing, as estratégias de trade marketing utilizadas pelas indústrias, que envolvem os 4 Ps (produto, preço, promoção e ponto de venda), e os indicadores utilizados para mensurar a efetividade dessas estratégias. Os autores tratam também da estrutura e da gestão de um depto. de trade marketing, assim como do perfil dos profissionais da área, necessário para implementar as estratégias. A obra oferece ainda uma reflexão sobre as perspectivas de trade marketing. O seu conteúdo destina-se tanto a executivos interessados em desenvolver o trade marketing em suas empresas quanto a estudantes de graduação e pós-graduação que buscam obter mais conhecimento sobre o assunto.

SIMONETTI, Sérgio. Trade marketing: estratégias e práticas para o ponto de venda. Curitiba: Juruá, 2015. 138 p. ISBN 978-85-362-2649-1.

Esse livro vem preencher uma lacuna do mercado editorial ao explorar uma disciplina ainda pouco debatido e entendido no Brasil que é o da gestão de “trade marketing” , mas que tem se tornado um grande destino para as verbas de comunicação das grandes empresas, na busca de melhores resultados para seus investimentos. Alem de explorar essa caixa de ferramentas, também já trazemos uma visão de vanguarda sobre o assunto em vários momentos colocando o leitor sempre a frente de seus pares e em linha com as melhores praticas mundiais de cada tema abordado. A exposição dos conceitos e ferramentas são feitas de forma bastante prática, com uma visão executiva e muitos exemplos, para suportar e dar credibilidade aos conceitos propostos. A obra se propõem a construir um novo olhar sobre as ferramentas individualmente e um raciocínio lógico para integrá-las, facilitando a estruturação de uma cultura de Trade Marketing mostrando que esse é um dos grandes diferenciais competitivos do presente. No conjunto a obra oferece uma visão futura para os tema aqui abordado e propõe a construção de um conceito novo e prático, que permita integrar as ferramentas de Trade Marketing focado nos resultados de vendas através de Gerenciamento de Categorias.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

No intervalo, tem partida de xadrez

Anderson e Trindade, alunos do 2º semestre do Curso de Ciências Contábeis, são os mais novos adeptos do jogo de xadrez. Aproveitaram o intervalo para jogar uma partida. Parece que vai sair um xeque-mate aí!


Biblioteca

Os Desafios da liderança empresarial num mundo de rápidas transformações

Oportunidade ímpar!
Não perca!

Faça sua inscrição AQUI!


segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Recado dado, recado recebido!

A Professora Regina Claudia veio hoje (07/08) conferir o livro "Educação pela Paz", de autoria de Clóvis Nunes, que fez parte da divulgação da última quinta-feira (03/08), tomando-o por empréstimo, para compor suas leituras diárias.


A Biblioteca aguarda o comentário sobre a obra, já prometido pela Professora.

Fiquem atentos! Toda quinta-feira é dia de sugestões de leitura.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Novamente a Professora Carol, agora é a vez do Marketing!

Mais uma aula da professora Carol Macêdo aconteceu na sala de leitura da Biblioteca (03/08). Desta vez, a dinâmica inicial contou com a apresentação individual de cada aluno, comentando sobre sua escolha em relação ao Curso de Marketing, sua atuação e seus planos de futuro com a profissão.

Depois, a Professora apresentou a bibliografia da disciplina de Publicidade e Propaganda, para os alunos do 3º semestre de Marketing.




Biblioteca

Em busca do livro certo

Alunos do 2º semestre do Curso de Ciências Contábeis buscam nas estantes o livro certo para a acompanhar as disciplinas.


Biblioteca

Desafio na partida de xadrez

Antes de iniciar a aula, os alunos Kelton e Rodrigo, do 3º semestre do Curso de Redes de Computadores, arriscam na noite de hoje (04/08) uma partida de xadrez. Parece que a partida vai sair empatada.


Biblioteca

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

A Gestão da Inovação veio para ficar



Inovação na prática
As ideias de Felipe Scherer sobre inovação

Conheça algumas tendências em gestão da inovação aplicadas por empresas de destaque.

Por Felipe Ost Scherer
(Foto/Thinkstock)

Diversas pesquisas já foram feitas tentando estabelecer uma relação direta entre volume de investimentos e capacidade inovadora das empresas. Invariavelmente os resultados apontam para a inexistência de relação direta entre essas duas variáveis. Na prática significa que se você dobrar o orçamento de inovação não há nenhuma garantia que sua empresa será duas vezes mais inovadora. Essas mesmas pesquisas apontam que o segredo dos inovadores está na forma como gerencia essa atividade. Muitas vezes os mais inovadores de diversos setores utilizam consideravelmente menos recursos, mas o fazem com maior excelência que os concorrentes

Até alguns anos atrás, a palavra inovação estava restrita a negócios de alta tecnologia, especialmente para mercados dinâmicos como, por exemplo, o de tecnologia da informação e aeroespacial. Com poucas exceções, apenas setores com produtos de ciclos de vida curto se preocupavam em ter uma orientação estratégica voltada para a renovação do negócio de forma estruturada.

Felizmente essa situação vem se transformando rapidamente nos últimos anos. Setores tradicionais como siderurgia, calçadista, têxtil e até mesmo o setor público estão buscando estruturar sua abordagem em relação à inovação.

Claro que esse processo de transformação cultural leva algum tempo, porém estamos em evolução na mentalidade gestora de muitas organizações tradicionais.

Quando iniciamos a Innoscience, uma consultoria em gestão da inovação, há mais de 10 anos atrás era bastante incomum encontrar gestores que conheciam as metodologias e ferramentas de gestão da inovação. Na época havia uma necessidade inicial de sensibilizar a importância da inovação para os negócios e, sobretudo, apresentar o conceito de inovação como processo, que poderia ser gerenciado como as ferramentas adequadas.

Uma década depois posso afirmar que muita coisa mudou nesse sentido. Metodologias como o design thinking e lean startup estão amplamente difundidas em muitas empresas. A abordagem do tipo tentativa e erro, muito dependente do acaso e sorte, foi substituída por uma visão coordenado do processo, no qual a empresa e seus colaboradores trabalham ativamente no desenvolvimento de novas soluções inovadoras.

O futuro da Gestão da Inovação

Talvez o tema mais quente no momento seja o da aproximação das empresas consolidadas com empresas nascentes, chamadas de startups. Felizmente, nos últimos anos alguns fatores tem contribuído com o desenvolvimento do ecossistema de empreendedorismo no Brasil, especialmente decorrente da facilidade de criar novos negócios digitais e a inspiração de alguns casos sucesso nacionais.

Muitos setores começam a visualizar uma transformação iminente nos modelos de negócios que irão demandar competências distintas das atualmente existentes. Setores consolidados como bancos, seguros, educação e saúde estão atentos a essas mudanças. As chamadas fintechs, por exemplo, são startups que aliam tecnologia com serviços financeiros. Elas estão desenvolvendo soluções que prometem acabar com o modelo tradicional de bancos com agências e tarifas de serviços. Além disso, muitas delas estão criando sistemas automatizados de investimentos utilizando grandes quantidades de dados, melhorando a tomada de decisão.

Nesse contexto, empresas estabelecidas estão buscando se aproximar dessas startups para acelerar seu processo de transformação. Essa conexão traz resultados importantes para ambas organizações. De um lado as empresas estabelecidas podem se valer das novas tecnologias e modelos de negócios para atualizar sua oferta ao mercado, enquanto de outro as startups podem aproveitar a base de negócios já estabelecida para gerar caixa e escalar sua solução. No final das contas, ambas se beneficiam dessa conexão.

Já a utilização de dados para inovação é o tema mais novo quando falamos em gestão da inovação. O chamado innovation data analytics se vale do processamento de uma grande quantidade de dados para gerar insights e ideias de novos produtos, serviços e mudanças em processos. Com a evolução da capacidade de processamento computacional e das fontes de geração de dados, sistemas computacionais estão auxiliando os gestores da inovação na identificação de oportunidades.

Recentemente um cliente da indústria farmacêutica utilizou um sistema computacional cognitivo que permitiu interpretar milhões de artigos científicos em um curto espaço de tempo, cruzando informações de diferentes fontes visando descobrir novas moléculas para tratamentos de doenças relevantes. Esse trabalho de análise de uma grande quantidade de dados teria levado anos e envolvido um contingente grande de pesquisadores se feito manualmente.

É muito comum ouvirmos reclamações das dificuldades mercadológicas e institucionais explicando a dificuldade de competir. Muitas vezes a única solução está na própria empresa, criando um ambiente que facilite a inovação. Nesses casos, nada melhor que utilizar as ferramentas e metodologias adequadas para tornar a empresa mais inovadora.

Felipe Ost Scherer

Fonte: Exame 

Professora Carol inaugura o salão de leitura da Biblioteca em 2017.2

Alunos do 4º semestre do Curso de Gestão Comercial, da Professora Carol Macêdo, tiveram a primeira aula do semestre no salão de leitura da Biblioteca, para conhecerem a ementa da disciplina de Propaganda e Promoção de Vendas e os livros que fazem parte da respectiva bibliografia.




Biblioteca

segunda-feira, 31 de julho de 2017

quinta-feira, 20 de julho de 2017

SEGURANÇA JURÍDICA: UM GRANDE REFORÇO PARA O VAREJO




A atuação representativa do setor do varejo tem demonstrado grande força no cenário nacional, comprovando que a independência das instituições públicas e privadas são capazes de impulsionar o desenvolvimento do País, dentro das suas potencialidades. E o setor de comercio e serviços é a grande mola propulsora da geração de renda e emprego.

Dois exemplos ilustram bem esse protagonismo do setor terciário que responde por 73% dos empregos formais em todo Brasil: o Banco do Nordeste (BNB) estabeleceu uma linha de crédito com uma redução média de 15% a 20% para capital de giro. A medida beneficia empresários de diferentes portes e abre portas para que outros bancos possam também aprovar linhas de crédito que incentivem o empresariado.

Outro avanço foi a Lei 13.455, de 26 de junho de 2017. Democrática e inclusiva, a Medida Provisória 764, sancionada no Palácio do Planalto, se converteu em lei e traz benefícios para os consumidores de baixa renda que não tem acesso a cartões de crédito e para aqueles que preferem angariar um bom desconto no pagamento à vista de um produto ou serviço.

A regulamentação da concessão de desconto a depender da modalidade de pagamento favorece não só o cidadão, mas também os empresários que sempre enxergaram na Medida Provisória 764, em vigor desde dezembro do ano passado, uma maneira de reduzir o volume das vendas com cartão de crédito que impactam as finanças pelas altas taxas cobradas pelas operadoras de cartão de crédito, que podem variar de 1% a 7%.

A Lei que já era um pleito antigo do setor de comércio e serviços tem poder também de incentivar a competitividade empresarial. Se destacará o lojista que oferecer o melhor preço para fidelizar o seu cliente. 

Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil para avaliar os efeitos da Medida Provisória comprova que a Lei vem de encontro a um hábito bastante cultural do povo brasileiro: o costume de pechinchar. O levantamento mostrou que 38% dos consumidores notaram que as empresas estão oferecendo mais descontos para pagamentos à vista na comparação com o ano passado, sobretudo para o pagamento em dinheiro (27%).Por outro lado, 23% dos varejistas consultados disseram ter percebido o benefício prático da nova medida, como aumento das vendas em dinheiro (17%), queda da inadimplência (4%) e diminuição nos pagamentos das taxas das máquinas de cartão (3%).

Enquanto orador e representante do setor de Comércio e Serviços, na solenidade de sanção da Medida Provisória pelo presidente da República, Michel Temer, foi possível constatar um fato muito claro para todo Sistema CNDL e pelas instituições privadas brasileiras: o varejo é a força que move o Brasil.

Jornal O POVO – 19/07/2017
Honório Pinheiro
presidente@cndl.org.br

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Encerramento do São João da Adivinhação

Durante o período de 19 a 29 de junho promovemos a ação cultural São João da Adivinhação, em comemoração às festas juninas e ao encerramento do semestre 2017.1.

 

110 alunos entraram na brincadeira lançando um palpite na fogueira para adivinhar o elemento junino presente no cartaz oculto, alusivo à temática junina. A aluna Lilia Raquel foi a última a lançar um palpite.

Hoje, 30/06, descobrimos o cartaz e desvendamos os motivos juninos, são eles: 

Luiz Gonzaga
sanfoneiro
sanfona
forró
baião

Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, o maior sanfoneiro do Brasil, é personagem representativo do Nordeste, do Sertão e das festas juninas, autor de diversas músicas temáticas em ritmos de forró e baião, motivos esses da nossa escolha. 

Os alunos Cleiton Rodrigues e Fabíola Duarte foram os auditores que conferiram os resultados.


Os alunos que lançaram esses palpites (Luiz Gonzaga, sanfoneiro, sanfona, forró e baião), acertaram a adivinhação e ganharão pontos em atividade complementar, como foi previsto no projeto, são eles:

A Biblioteca agradece a participação de todos.

Biblioteca

terça-feira, 27 de junho de 2017

Haja palpite, haja adivinhação!

Já chegamos à marca de 90 palpites! 

Alunos dos turnos da manhã e noite estão participando da brincadeira, que pode render pontos em atividade complementar. Basta arriscar um palpite e acertar conforme o cartaz que está oculto no flanelógrafo.

Venha você também arriscar um palpite até o dia 29/06! 




 

Biblioteca 

sexta-feira, 23 de junho de 2017

São João da Adivinhação! O que é, o que é?

Muita gente querendo adivinhar... E você, já participou? 

São João da Adivinhação!




 




No dia 30/06 vamos desvendar o cartaz que contém os motivos juninos.

Biblioteca

quarta-feira, 21 de junho de 2017

São João da Adivinhação: muitos tentando adivinhar...

Muitos alunos hoje na Biblioteca tentando arriscar um palpite sobre o motivo junino oculto. E você, vai ficar de fora dessa brincadeira?

Participe até o dia 29/06.








 

Biblioteca

Biblioteca bombando nesse final de semestre

Todo mundo reunido estudando, pesquisando, discutindo e aprendendo!

Grande movimentação de fim de semestre.


  

Biblioteca

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...